Criança morta em chuvas na Bahia é enterrada; donativos são suspensos.

Enxurrada iniciada no sábado (7) matou 17 pessoas - 8 da mesma família.
Defesa Civil afirma que não há mais local para recebimento de doações.

O corpo da menina de 11 anos foi enterrado na tarde desta quarta-feira (11) em Lajedinho, na Chapada Diamantina. Ela é a última vítima da enxurrada que destruiu a maior parte da cidade e matou outras 16 pessoas, sendo que oito eram da mesma família.

Por conta do estado de decomposição do corpo, não foi possível realizar missa, por isso, logo foi feito o enterro no cemitério da cidade.

Segundo a Defesa Civil da Bahia, as ações de reconstrução do município foram iniciados, como o recolhimento de entulhos. Além disso, começa nesta quinta-feira (11) a limpeza do canal na parte central da cidade, próxima à prefeitura.

Um fazendeiro da região doou uma área equivalente a 25 campos de futebol na parte alta do município para a reconstrução de Lajedinho. No local devem ser construídas 200 casas, lojas e prédio públicos.

Enquanto as construções não começam, os desabrigados estão em uma escola municipal da cidade. O Exército doou 45 barracas para abrigar os desalojados. Até a noite desta quarta, as pessoas não foram transferidas para as tendas. A cidade está em estado de calamidade pública.

Doações interrompidas
O recolhimento de donativos foi suspenso por falta de local para abastecimento. Segundo a Defesa Civil, como a destruição da cidade foi muito grande, sobraram poucos lugares para abrigar pessoas e alimentos. Além disso, o órgão afirma que o montante recolhido mantém a população da cidade por quatro meses.

O recebimento de doações será retomado assim que um novo galpão para colocar os mantimentos for encontrado. Os interessados em ajudar a cidade de Lajedinho podem contribuir financeiramente.

Reconstrução
O prefeito Antônio Mário Lima afirmou que a área destinada à reconstrução de parte da cidade foi doada por um fazendeiro. Cerca de 250 moradias e 15 pontos de comércio serão construídos na parte alta do município.

"É uma área adequada para se fazer o loteamento e isso já vai dando força para vencermos essa batalha", disse ao G1. Um levantamento topográfico foi feito para reestruturar a cidade. Mas, segundo o prefeito, a área que ficou destruída pela enxurrada não será mais habitada, para evitar risco de novas tragédias.

Em torno 200 famílias, aproximadamente 800 pessoas, estão desabrigadas. "Estamos trabalhando para ter os dados oficiais. As pessoas estão em casa de parentes, outras em escolas, outras em casas da zona rural. Nós estamos dando apoio com roupas, cestas básicas. A nossa vontade é que a gente coloque essas pessoas cada uma em seu lugar, para que elas tenham a privacidade da família", disse o prefeito.

Apoio oficial
O governador da Bahia, Jaques Wagner, e o ministro da Integração Nacional, Francisco José Coelho Teixeira, foram a Lajedinho na tarde desta segunda, para acompanhar os estragos e os resgates. Ficou acertado apoio para a construção de novas casas na parte alta da cidade.
O centro de Lajedinho foi destruído com as chuvas, área onde está localizada a maior parte do comércio, além da prefeitura e suas secretarias. "É a parte mais antiga da cidade, tem praças, secretarias. 70% a 90% do comércio foi prejudicado. Estamos vendo como ajudar também esse pessoas. São pequenos comerciantes, que perderam tudo", disse o prefeito.

Desabrigados
As famílias desalojadas estão abrigadas em escolas municipais e recebem assistência como a alimentação, roupas e cobertores. Os corpos foram localizados a cerca de 30 km do local, nas proximidades da cidade de Ruy Barbosa. As equipes de buscas foram são compostas por 28 bombeiros e 12 voluntários. Moradores relataram que o nível da água chegou a 2 metros de altura.

Chuvas
Segundo a Defesa Civil, choveu em duas horas cerca de 120 mm. O imóvel da Prefeitura de Lajedinho também foi atingido pela enxurrada. Diversos equipamentos e documentos foram destruídos. A sede da Assistência Social também foi afetada. [Veja no vídeo ao lado as imagens aéreas da cidade de Lajedinho]

Assistência
Já a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), informou que a equipe de Vigilância Epidemiológica de Lajedinho atua na cidade. Funcionários da saúde, veículos e medicamentos da cidade de Itaberaba são disponibilizados para a população de Lajedinho.

Segundo a Sesab, a secretaria aguarda a lista de remédios que serão solicitados pela prefeitura para encaminhar os medicamentos para a população afetada.
Moradores de cidades vizinhas também doam roupas, água e mantimentos para abastecimento dos desabrigados.O Tribunal de Justiça da Bahia também arrecada doações.
A Secretaria de Segurança Pública (SSP) reforçou o efetivo da Polícia Militar e da Polícia Civil para atendimento às vítimas do temporal.




Compartilhe

Comente